Você está aqui: Página Inicial / Blog / O mundo virtual nos observa

O mundo virtual nos observa

para o bem ou para o mal, a exposição de dados tende a aumentar

Talvez você não se lembre, mas em 2014 surgiram as primeiras notícias alarmantes de que o Google Chrome teria a capacidade de “ouvir” o que o usuário fala, mesmo depois de fechar o navegador (jan. 2014, Olhar Digital). Cinco anos depois, frente a uma virada de década, ainda vemos notícias de pessoas se sentindo cada vez mais expostas e tendo sua vida pessoal invadida não só pelo Google, mas muitas outras empresas e aplicativos.

Em março deste ano, o jornal online Diário da Região, de São José do Rio Preto, publicou uma matéria em que, mais uma vez, conta a história de vítimas desta exposição de dados, estes que muitas vezes sequer são compartilhados em algum dispositivo eletrônico antes de serem capturados. O artigo conta que um dos maiores problemas de vazamento de informações hoje em dia não pode ser chamado de ‘vazamento’. Acontece que um usuário concede, desnecessariamente, permissões de acesso a diversos aplicativos, estes que grande parte das vezes garantem seus direitos de uso das informações e dos acessos nos termos de uso, que raramente são lidos.

A porcentagem maior desses aplicativos acaba por vender os dados do usuário para empresas que, a partir deste conteúdo, vão poder personalizar o tipo de anúncio, notícias e informações que este usuário vai receber, o que resulta em geral em mais compras e divulgações de informações específicas por parte do usuário.

estes dados podem incluir localização em tempo real, gravação de áudio e vídeo, capturas de tela, imagens pessoais e quaisquer tipos de dado ou arquivo que estejam no dispositivo.

Essa possibilidade para a venda de dados em si já é um problema. Mas a situação pode ficar ainda mais perigosa quando os aplicativos que captam os dados não são confiáveis, muitas vezes não sendo provenientes de repositórios oficiais, e optam por vender os dados para espionagem, chantagem etc. Lembrando, ainda, que estes dados podem incluir localização em tempo real, gravação de áudio e vídeo, capturas de tela, imagens pessoais e quaisquer tipos de dado ou arquivo que estejam no dispositivo.

Como de pouco adianta se preocupar com a notícia sem saber como agir a partir de agora, listo abaixo alguns passos para que você possa saber que tipo de informação a internet tem sobre você e como impedir que mais dados sejam capturados.


Hacker Rangers - Solicite seu trial aqui


1 - Aplicativos e programas


Se o confiável já não é tão confiável, quanto mais confiável melhor. Fez sentido?

Antes de fazer o download de qualquer tipo de software, tenha certeza de que:

  • A fonte ou repositório são oficiais;

  • Que o software selecionado é correto e não alguma versão genérica ou falsificada;

  • Verifique a reputação, a avaliação e os comentários;

  • Preste atenção às permissões que vai conceder e reflita se tal software realmente precisa de acesso aos seus contatos para funcionar;

  • Leia os termos de uso, SEMPRE.

 

2 - Redes sociais e mecanismos de busca

 

Como mencionei no início, um dos primeiros alarmes quanto à captura de dados online foi a respeito do Google. Infelizmente, esta não é a única companhia que se dá ao luxo de reter nossas informações pessoais. Saiba o quê algumas redes retiveram sobre você:

  • Facebook: acesse ‘Configurações’ e ‘Suas informações no Facebook’. Nessa página você pode acessar, gerenciar e baixar todas as informações que o Facebook tem sobre você. Além disso, você pode excluir suas contas e informações da rede.

  • Twitter: vá para ‘Configurações e Privacidade’ e acesse a aba ‘Seus dados do Twitter’. Ali você pode solicitar o download de seus dados do Twitter e do Periscope.

  • Instagram: acesse ‘Configurações’ e depois ‘Privacidade e segurança’. Ao fim da página há uma opção para download de dados.

  • Google: na seção ‘Google Conta’ acesse a aba ‘Dados e Personalização’. Ali você você pode ver sua atividade (que inclui atividades feitas por você e gravadas de você) e como os anúncios estão personalizados. Você pode gerenciar e controlar suas atividades ali também.

  • Atividade geral na Internet: alguns sites, preocupados com a captura de dados, fazem uma busca geral pelo mundo virtual para te mostrar como nossas informações são vulneráveis e estão sendo acessadas constantemente. Dois sites que fazem isso são YourAdChoices e WebKay.

 

Como se proteger

 

De fato, fica cada vez mais difícil fugir deste tipo de exposição. Por isso, é importante que tomemos todas as medida possíveis para evitar que tenhamos nossos dados capturados, mesmo que para fins “apenas” publicitários. Algumas formas de fazer isso:

  • Se comunique por meio de aplicativos que garantam a criptografia do conteúdo. O WhatsApp é um dos comunicadores que garantem essa funcionalidade, ao menos por enquanto.

  • Certifique-se de que o navegador que você usa (Chrome, Firefox etc) está minimamente protegido com extensões como AdBlock, que bloqueia anúncios e spams indesejados; RedMorph, que bloqueia sinais de rastreamento; entre outros. Mas lembre-se qualquer aplicativo, programa ou extensão de proteção devem sempre ser oficiais.

  • Tenha cuidado com o tipo de conteúdo que vai compartilhar, mesmo por mensagens criptografadas. Imagens sensíveis, mensagens comprometedoras… Qualquer dado corre o risco de ser vazado. Nunca é demais policiar quais informações forneceremos ao mundo virtual.

 

Hacker Rangers - Plataforma Gamificada para conscientização em cibersegurança

 

Para o bem ou para o mal, a exposição de dados tende a aumentar. Isso porque cada vez mais requeremos transparência de órgãos governamentais e grandes empresas, o que acaba implicando em políticas gerais para a captura e uso de dados dos usuários.

Fique atento aos seus dados no mundo virtual do mesmo modo que protege seus documentos físicos. Dados virtuais são igualmente importantes e muitas vezes mais perigosos.


Júlia Araújo

Produtora de Conteúdo na Perallis Security

Julia

Bibliografia:


https://www.nytimes.com/2017/07/03/smarter-living/how-to-see-what-the-internet-knows-about-you.html

https://www.forbes.com/sites/thomasbrewster/2017/05/18/twitter-privacy-update-called-creepy/#461b2f26464f

https://www.nytimes.com/2016/11/17/technology/personaltech/encryption-privacy.html?module=inline

https://www.diariodaregiao.com.br/_conteudo/2019/03/secoes/outras/tecnologia/1144078-sim-seu-celular-pode-te-escutar-e-ate-ver.html