Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Navegando em águas turbulentas - entendendo a Internet

Navegando em águas turbulentas - entendendo a Internet

internet, cibersegurança

Vivemos em uma era sem precedentes na história da humanidade. Nunca antes houve um acesso à informação tão pervasivo e tão fácil, e o principal fator para isso é a alta disponibilidade de acesso à Internet. Estima-se que hoje existam quase 3 bilhões de smartphones em uso no mundo, e a previsão é de que esse número suba para mais de 6 bilhões até 2020. Quase todas as empresas possuem vários computadores com acesso à internet para seus funcionários, e, de acordo com o IBGE, mais da metade das residências no Brasil possuem acesso à internet.

O acesso à internet tornou-se uma commodity, como a água encanada e a energia elétrica.

Nós pensamos na internet como algo que faz nossos computadores e celulares funcionarem, e abstraímos como ela realmente funciona.

Vamos supor que você queira postar uma foto em alguma mídia social. Você pega seu celular, tira uma foto, e clica em "compartilhar". Em apenas dois ou três cliques sua foto encontra-se disponível para que todos em sua rede social possam visualizar. Parece mágica.

O que acontece, por baixo dos panos, é que a foto saiu do seu celular, foi quebrada em várias partes -- vamos chamá-las de pacotes - esses pacotes são enviados do seu celular até o roteador sem fio da rede wireless na qual você está conectado. Depois de chegar no roteador wi-fi, eles são encaminhados até a central da operadora de telecomunicações da qual você contrata o serviço de internet. A central encaminha esses pacotes para a infraestrutura de internet do Brasil, chamada de backbone. Chegando no backbone, esses pacotes são encaminhados para alguma operadora de internet dos Estados Unidos (quase todas as redes sociais estão hospedadas nos EUA), que irá encaminhar sua foto para o servidor onde a rede social está rodando, e sua foto será devidamente publicada no seu perfil. Percebe por quantos lugares diferentes sua foto passou antes de ser postada no seu perfil? O mais impressionante é que esse processo leva poucos segundos para acontecer, sendo de fato uma maravilha do mundo moderno.

O ponto principal é que existem muitas oportunidades para terceiros interceptarem suas comunicações. No exemplo da foto, em qualquer um dos "pulos" que deu até chegar no servidor da rede social ela poderia ter sido facilmente interceptada por partes mal-intencionadas. Agora, pense que não apenas fotos passam pelo mesmo processo, mas também emails, planilhas e informações sensíveis da sua empresa. Isso fica evidente quando uma pesquisa da Microsoft indica que a cada segundo, 12 pessoas são vítimas de ataques cibernéticos.

hackers

Por isso, é importante que tanto você quanto seus funcionários estejam conscientes do universo que é a internet, e como ter atitudes nela que previnam roubo e vazamento de informações. Você não pega um carro e vai dirigir na estrada sem ter tirado carteira de motorista, e a internet é a mais perigosa das estradas.

Veja como capacitar conscientizar seus colaboradores sobre cibersegurança.


Autor: Matheus Boy
Especialista em Cibersegurança